Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr

Portaria SDA - 145, de 01/09/1998

Publicado em 02/09/1998 | Sancionado em 01/09/1998

Ementa

Incrementar o Programa de Distribuição de Carnes Bovina e Bubalina ao comércio Varejista, previamente embaladas e identificadas, instituindo a obrigatoriedade da desossa ou fracionamento dos cortes secundários do traseiro e do dianteiro, destinados a estabelecimentos de distribuição e varejo.

Status

Não possui nenhuma modificação vigente.

Texto Integral

PORTARIA N.º 145, DE 01 DE SETEMBRO DE 1998


O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Portaria Ministerial n.o 304, de 22 de abril de 1996, alterada pela Portaria Ministerial n.o 350, de 21 de junho de 1996, e

Considerando o disposto na Portaria SDA n.o 142, de 23 de dezembro de 1997, que submeteu à consulta pública o Projeto de Portaria, objetivando o programa de distribuição de carne bovina e bubalina no comércio de distribuição e varejistas;

Considerando todas as sugestões emanadas das representações de classes de produtores, dos estabelecimentos de abate e industrialização, dos varejistas e consumidores, resolve:

Art 10 Incrementar o Programa de Distribuição de Carnes Bovina e Bubalina ao comércio Varejista, previamente embaladas e identificadas, instituindo a obrigatoriedade da desossa ou fracionamento dos cortes secundários do traseiro e do dianteiro, destinados a estabelecimentos de distribuição e varejo.
Parágrafo único Os cortes obtidos com o fracionamento do traseiro e dianteiro, tradicionalmente comercializados com ossos, poderão continuar sendo comercializados dessa forma, desde que embalados, identificados e acondicionados em containers apropriados e devidamente aprovados para a finalidade atendidos os demais requisitos da Portaria Ministerial n.o 304, de 22 de abril de 1996, e das Portarias SDA n.os 89 e 90, de 15 de junho de 1996.
Art 20 O Programa deverá ser incrementado de forma gradativa, iniciando-se pelos Municípios mencionados nas das Portarias SDA n.o 89 de 15 de junho de 1996, n.o 135 de 4 de novembro de 1996, n.o 36 de 30 de abril de 1997 e n.o 77 de 5 de agosto de 1997, acrescidos dos municípios de Belo Horizonte, Poços de Caldas em Minas Gerais e Jequié na Bahia.
Parágrafo único O prazo para implantação da obrigatoriedade da desossa ou do fracionamento tratada no Art 1.0 da presente {Portaria, nos Municípios mencionados no Art 2.0 , é de 120 dias após a publicação da presente Portaria, e o prazo final para a instituição dessa obrigatoriedade nos demais Municípios da União é de 30 de agosto do ano 2000, permanecendo para esses, as exigências quanto à temperatura, etiqueta de identificação e, se for o caso, embalagem dos grandes cortes.
Art. 3.0 A adesão de outros Municípios poderá se dar a qualquer tempo por decisão das Prefeituras, que ficam também responsáveis, através dos órgãos competentes, pela fiscalização sobre o transporte e comercialização, nos termos da legislação vigente.
Art. 4.0 Para os estabelecimentos que aderirem ao programa torna-se facultativo o fracionamento dos cortes secundários do traseiro e do dianteiro de bovinos e bubalinos em grandes peças, desde que a entrega aos estabelecimentos varejistas se faça nas condições definidas no Parágrafo único do art 1.0
Art. 5.0 Os estabelecimentos de abate, os entrepostos de carnes e derivados e as fábricas de conservas sob regime do serviço de Inspeção Federal localizados nos municípios não previstos no Art. 2.0 , que já dispõem de instalações adequadas e aprovadas para as atividades de corte e desossa, que distribuem carnes desossadas aos estabelecimentos varejistas, poderão aderir de imediato ao programa, mediante comunicação formal ao Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal – DIPOA.
Parágrafo único Os demais estabelecimentos sob regime de Inspeção Estadual ou Municipal, conforme as competências estabelecidas pela Lei n.o 7.889, de 23 de novembro de 1989, que atendam o regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação, poderão igualmente aderir ao programa, mediante Termo de Compromisso firmado às respectivas autoridades municipais ou estaduais, que avaliarão as condições técnicas dos mesmos, assegurando a real capacidade e manutenção dos parâmetros de temperatura das carnes exigidos pela Portaria Ministerial n.o 304/96.
Art. 6.0 Os estabelecimentos varejistas que desejarem a transformação para entreposto de carnes com vistas à habilitação para realização do fracionamento e desossa para adesão ao programa, deverão requerer autorização com base na Portaria Ministerial n.0 368/97, que aprovou o Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Elaboradores/Industrializadores de Alimentos, e cumprirem o Código de Posturas Municipais, além das condições mencionadas no parágrafo único do art 5.0
Art. 7.0 Dar início à segunda fase do aperfeiçoamento das práticas de comercialização de carne, como elemento fundamental de introdução de um Programa de Resposta Eficiente ao Consumidor (REC), bem como para garantir aos clientes compradores de Cortes Técnicos, o direito às informações detalhadas sobre as especificações de origem, instando as entidades de representação das indústrias de carne e varejistas, para que juntas, no prazo máximo de 180 dias, apresentarem o anteprojeto do novo Padrão de Cortes Técnicos a ser publicado como Livro de Cortes de Carne do Brasil, em substituição à portaria SIPA n.o 5, de 8 de novembro de 1988.
Art. 8.0 Fixar janeiro do ano de 2000 para a implantação da Tipificação de Carcaças, como sistema de referência qualitativo, para a remuneração dos animais no abate.
Parágrafo único - As entidades de representação nacional dos pecuaristas e dos estabelecimentos de abate poderão, se assim o desejarem, propor e coordenar os estudos para o aperfeiçoamento da legislação pertinente.
Art. 9.0 Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.


ENIO ANTONIO MARQUES PEREIRA

Aviso Legal

Este texto não substitui o publicado no D.O. (origem) de (data de publicação).

Os textos legais disponíveis no site são meramente informativos e destinados a consulta / pesquisa, sendo imprópria sua utilização em ações judiciais.