Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr

Resolução SAA 66, de 05/07/2013

Publicado em 06/07/2013 | Sancionado em 05/07/2013

Ementa

Fixa o procedimento para cursos de treinamento e habilitação de Engenheiros Agrônomos e Engenheiros Florestais para fins de Certificação Fitossanitária

Status

Não possui nenhuma modificação vigente.

Texto Integral

Resolução SAA - 66, de 5-7-2013
Fixa o procedimento para cursos de treinamento
e habilitação de Engenheiros Agrônomos e
Engenheiros Florestais para fins de Certificação
Fitossanitária
A Secretária de Agricultura e Abastecimento, considerando:
- Ser atribuição da Coordenadoria de Defesa Agropecuária
– CDA, através do Grupo de Defesa Sanitária Vegetal - GDSV,
órgão estadual de defesa sanitária, promover cursos para
treinamento e habilitação de Engenheiros Agrônomos e Engenheiros
Florestais, para atuarem no sistema de Certificação
Fitossanitária, aprovado pelas Instruções Normativas 54 e 55,
de 4 de dezembro 2007, do Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento – MAPA;
- Que o Instituto Biológico – IB, vinculado à Agência Paulista
de Tecnologia dos Agronegócios - APTA, é o órgão de pesquisa
da Secretaria de Agricultura e Abastecimento especializado em
sanidade agropecuária, objeto da certificação fitossanitária,
- A necessidade de estabelecer critérios para a integração
entre os órgãos subordinados,
Resolve:
Artigo 1º - Os cursos para habilitação de Engenheiros Agrônomos
e Engenheiros Florestais para atuarem no sistema de
Certificação Fitossanitária, previstos nas Instruções Normativas
54 e 55, de 4 de dezembro de 2007, do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento, serão realizados anualmente em conformidade
com as regras estabelecidas na presente Resolução.
Artigo 2º - Caberá ao Grupo de Defesa Sanitária Vegetal, da
Coordenadoria de Defesa Sanitária, a cada exercício financeiro:
a) Efetuar o levantamento da demanda de treinamento;
b) Relacionar os profissionais qualificados que poderão
se inscrever para receber o treinamento, e enviar a relação
ao Instituto Biológico, da Agência Paulista de Tecnologia dos
Agronegócios;
c) Elaborar o plano de trabalho e aprovação conjunta com o
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
d) Participar da realização do treinamento, juntamente
com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, nos
assuntos ligados à legislação e certificação fitossanitária;
e) Emitir, sem custos, o documento de habilitação do
treinando;
f) Encaminhar a relação dos treinados ao Ministério da
Agricultura, Pecuária e Abastecimento para sua inclusão no
cadastro nacional;
g) Avaliar os treinados sobre os assuntos relacionados com
a legislação e conceituação da Certificação Fitossanitária.
Artigo 3º - Caberá ao Instituto Biológico, da Agência Paulista
de Tecnologia dos Agronegócios, a cada exercício financeiro:
a) Realizar o treinamento;
b) Encaminhar ao Grupo de Defesa Sanitária Vegetal, em
tempo hábil, o plano didático de treinamento, bem como, o
plano de trabalho, que serão submetidos à análise e aprovação
da Superintendência Federal de Agricultura em São Paulo - SFA/
SP, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
c) Executar o treinamento de acordo com o plano de trabalho
para cada curso apresentado pelo Grupo de Defesa Sanitária
Vegetal, aprovado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento;
d) Definir a estrutura física, como salas, laboratórios e
campo, para sua execução;
e) A gestão dos recursos captados para a realização da
parte científica do treinamento.
Artigo 4º - Caberão ao Grupo de Defesa Sanitária Vegetal
e Instituto Biológico, em conjunto, a cada exercício financeiro:
a) O planejamento didático do treinamento e a seleção dos
palestrantes;
b) Definir os municípios onde serão realizados os treinamentos.
Artigo 5º - Esta Resolução entra em vigor na data de sua
publicação (PSAA 74.201/2008).

Aviso Legal

Este texto não substitui o publicado no D.O. (origem) de (data de publicação).

Os textos legais disponíveis no site são meramente informativos e destinados a consulta / pesquisa, sendo imprópria sua utilização em ações judiciais.