Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
15/12/2006

Aftosa: Vacinação atinge 99,40% do rebanho paulista.

A 2ª etapa da campanha oficial de vacinação contra a febre aftosa, realizada durante o mês de novembro, alcançou 99,40% do rebanho paulista, que totalizou 12,65 milhões de cabeças. Com este índice, apenas 75 mil cabeças não foram vacinadas voluntariamente pelo criador, mas todo o rebanho já está sendo imunizado obrigatoriamente pelos proprietários sob a supervisão da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, responsável pela sanidade animal e vegetal no estado. Em maio de 2006, o índice foi de 99,50%.

Para o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Alberto Macedo, esta pequena queda no índice é natural, a tendência é um esforço maior do pecuarista na primeira etapa, que acontece em maio. “O importante é alcançarmos acima de 99% e mostrar ao mundo que não temos aftosa há 10 anos, trabalhando em conjunto com o setor produtivo para a derrubada dos embargos à carne brasileira e paulista”, afirma o secretário.

Das 40 regionais que compõem o quadro da CDA, em 7 delas, 100% do gado foi vacinado durante a etapa. São elas: Andradina, Dracena, Jaboticabal, Orlândia, Ourinhos, Tupã e Votuporanga

RAIVA DOS HERBÍVOROS – Durante todo o mês de novembro, os pecuaristas de três regiões do Estado: Guaratinguetá, Mogi das Cruzes e Pindamonhangaba também foram obrigados a vacinar seu gado contra a raiva dos herbívoros. De um total de 752 mil cabeças, entre bovinos, bubalinos, ovinos, equinos e caprinos, 97,42% foram vacinados.

O trabalho da CDA no combate a raiva dos herbívoros tem sido referência para todo o país. A redução nas ocorrências da doença deve-se ao trabalho das equipes volantes de combate aos focos e intensificação e conscientização do criador para a vacinação. Com isto a CDA reduziu de 14 para somente 3 regiões, as quais ainda há a obrigatoriedade de vacinar. Em 2000, chegava-se a registrar 773 focos da doença numa área que compreendia 19 regiões com vacinação. No ano passado, foram 62 focos nas 14 regiões com incidência maior do morcego.

Fonte: Assessoria de Comunicação/SAA