Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
06/09/2007

8 de setembro - Dia Mundial de Controle da Raiva: Mantenha raiva longe do seu rebanho.

Brasília (06.09.07) - A raiva é uma doença do sistema nervoso, geralmente associada a animais de estimação. Mas, o que muita gente não sabe, é que ela também pode atacar animais herbívoros, como bovinos, caprinos, ovinos e eqüinos. No Brasil, foram registrados oficialmente 2,6 mil casos de raiva em herbívoros em 2006 e, apesar de a doença ser considerada endêmica no país - ou seja, com incidência em todas as regiões – 55% desses casos registrados ocorreram nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e Paraná.

A Coordenação da Raiva dos Herbívoros do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) calcula que a doença provoca a morte de aproximadamente 25 mil cabeças bovinas por ano. Além de levar os animais à morte em aproximadamente dez dias, a contaminação com a raiva pode trazer prejuízos para produção de leite, de carne e de couro, e ainda atingir humanos que lidam diretamente com o rebanho. Ano passado, foram registrados nove casos de raiva humana, nos estados do Maranhão, Alagoas, Pernambuco, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Ao contrário do que é feito nos casos de raiva em animais de estimação, o tratamento da doença nos herbívoros não se restringe à vacinação periódica. “O transmissor é o morcego vampiro Desmodus rotundus, que se alimenta do sangue desses animais. Por isso, o controle da população do morcego é uma das principais formas de evitar a contaminação dos rebanhos”, explica Carla da Silva Goulart, gerente do Programa Nacional de Controle da Raiva em Herbívoros do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De acordo com Carla, notificar os casos de raiva às autoridades sanitárias é importante (veja quadro), pois, com base nessas informações, o Mapa pode direcionar as ações contra a doença. “Quando se sabe onde está a população dos morcegos, é possível realizar a captura e o controle destes animais, além de orientar a vacinação dos rebanhos na área próxima ao foco e informar os produtores sobre como prevenir novos casos da doença”, esclarece

É essencial que as ações tomadas por técnicos agropecuários sejam orientadas por veterinários capacitados. “Além do treinamento sobre o controle da população do Desmodus rotundus, é importante tomar precauções para evitar a transmissão da raiva para quem lida com os animais”, explica Carla. “A melhor coisa a fazer diante da suspeita de um caso de raiva é avisar às autoridades veterinárias do estado”.

Treinamento e medidas para evitar a doença – Desde 1966, o Ministério da Agricultura promove ações para prevenir e controlar a raiva nos herbívoros. Por meio do Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), o Mapa coordena as ações de todos os órgãos estaduais de defesa sanitária animal, além de firmar parcerias estratégicas com órgãos internacionais de controle à raiva, como a Organização Panamericana de Saúde (OPAS).

Uma das ações realizadas em parceria com a OPAS foi a elaboração e distribuição em 2004 de revistas da Turma da Mônica com o tema “Abaixo a Raiva”, com o objetivo de colaborar com ações de educação sanitária no controle da raiva em todo o Brasil. Em 2006, devido ao grande sucesso deste material, foram reimpressos um milhão de exemplares, distribuídos a todos os responsáveis pela execução do Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros, em todos os estados brasileiros.

No final do ano passado, outra parceria entre a OPAS e o Departamento de Saúde Animal do Mapa permitiu melhorar a capacitação de técnicos agropecuários para o controle da raiva. Por meio de um convênio, foram realizados treinamentos com técnicos agropecuários sobre captura e controle de morcegos Desmodus rotundus nas cidades de Guararema (SP) e Cáceres (MT). Ainda estão previstos treinamentos em Palmas (TO) e em Pesqueira (PE). A expectativa é capacitar, em 2007, 320 técnicos e formar 140 equipes exclusivas de captura e controle dessa espécie de morcegos

Os estados que participam do treinamento podem receber um kit com todo material necessário à captura dos morcegos, caso solicitem os kits formalmente ao Mapa. Cada kit é composto por 76 itens, como equipamentos de proteção individual, rádios comunicadores, GPS, redes de captura de morcegos, pastas vampiricidas e outros materiais necessários para controlar a população dos animais transmissores.

Este ano, o controle da raiva no mundo ganhou um reforço importante. O dia 8 de setembro foi escolhido como Dia Mundial da Raiva pela Aliança para o Controle da Raiva. O objetivo é conscientizar a população sobre o controle e a prevenção da raiva humana e mobilizar todas as instituições envolvidas nessa tarefa.

Sinais da raiva nos herbívoros:

Animal se isola do rebanho, não bebe e não come;

Tem dificuldade para engolir

Parece estar engasgado e saliva muito (baba);

Tem andar cambaleante e dificuldade de ficar em pé

Na fase final da doença, o animal apresenta paralisia dos quartos posteriores, cai e não consegue mais se levantar;

Os herbívoros contaminados com a raiva podem transmitir a doença aos humanos. Por isso, todos os técnicos agropecuários e veterinários que lidam com rebanhos de herbívoros devem ser vacinados preventivamente contra a raiva.

Quando algum animal no rebanho apresentar esses sintomas, morrer sem causa definida ou for atacado por morcegos vampiros, é importante avisar à unidade local do serviço de defesa sanitária animal do seu estado. Os veterinários irão à propriedade, para avaliar o rebanho gratuitamente. Não se deve aproveitar a carne ou o leite dos animais que morreram com suspeita de raiva

Transmissor - O morcego vampiro, ou Desmodus rotundus, alimenta-se de sangue e costuma atacar bois, cabras, ovelhas e cavalos na região da tábua do pescoço, lombo e garupa. O animal agredido apresenta um pequeno ferimento com uma marca de sangue escorrido.

O Desmodus rotundus abriga-se em cavernas, troncos de árvores, cisternas abandonadas. Não é aconselhável tentar matar os morcegos ou espantá-los. A melhor forma de controlar a população do Desmodus rotundus é com o auxílio de médicos veterinários, que são treinados para encontrar os locais onde os morcegos se abrigam. Também é possível usar pasta ou gel vampiricida no próprio rebanho, mas também com orientação de profissionais treinados.

Para saber mais sobre a raiva dos herbívoros

É possível obter mais informações sobre a raiva dos herbívoros por meio do e-mail pncrh@agricultura.gov.br ou pela Central de Relacionamento e Serviços do Mapa, pelo telefone 08007041995 (ligação gratuita).

O Manual Técnico de Controle da Raiva dos herbívoros está disponível em versão eletrônica no site do Ministério da Agricultura www.agricultura.gov.br.

A legislação federal que aprova as Normas Técnicas para o Controle da Raiva dos Herbívoros no Brasil é a Instrução Normativa Ministerial nº. 5, de 1º de março de 2002.

Fonte: Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento