Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
05/11/2008

Aftosa: vacinação deve ser realizada até 30 de novembro em SP.

05/11/2008 - Os pecuaristas paulistas começaram a imunizar o rebanho bovídeo (bovinos e bubalinos) contra a febre aftosa, neste sábado (1º), com o início da segunda etapa da campanha de vacinação. Até 30 de novembro, serão vacinados 12 milhões de cabeças no estado de São Paulo.

Na mais recente etapa da campanha de vacinação, em maio deste ano, foi registrado o índice de 99,16% de cobertura vacinal. Nesta segunda etapa, a expectativa é que a vacinação voluntária chegue a 100%.

A febre aftosa continua sendo o principal argumento de restrições impostas pelos países importadores. As campanhas de vacinação visam imunizar o rebanho, preservar o status sanitário obtido pelos Estados e, assim, aumentar o mercado exportador de produtos agropecuários brasileiros.

No agronegócio paulista, a carne bovina é o segundo item na pauta de exportações: em 2007 alcançou US$ 3,16 bilhões em vendas externas, graças à infra-estrutura frigorífica e logística de transportes, perdendo apenas para o setor sucroalcooleiro.

Segundo dados do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, atualmente, quase 60% do território brasileiro são reconhecidos, internacionalmente, como área livre de febre aftosa. Isso significa que 89% do rebanho bovino brasileiro estão em área livre.

VACINAÇÃO – A Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista lembra aos criadores os cuidados a serem observados quando da realização da vacinação:

- adquirir vacina somente em estabelecimentos cadastrados pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária;

- tanto no transporte como no armazenamento, a temperatura de conservação da vacina, deverá ser mantida entre 2 (dois) e 8 (oito) graus centígrados, devendo ser realizado em caixa isotérmica (isopor) contendo no mínimo dois terços de seu volume em gelo. Nunca congele;

- escolher o horário mais fresco do dia para realizar a vacinação;

- vacinar preferencialmente no terço médio do pescoço (tábua do pescoço);

- substituir a agulha freqüentemente, para evitar infecções;

- manter os frascos resfriados durante a operação;

- classificar os animais por faixa etária (era) e sexo;

- e comunicar a vacinação ao Escritório de Defesa Agropecuária (EDA) da região até o dia 08 de dezembro de 2008.

A comunicação deverá ser feita pelo criador mediante apresentação da nota fiscal de aquisição da(s) vacina(s) bem como da declaração do rebanho por faixa etária e sexo, junto as Unidades de Defesa Agropecuária.

As penalidades para os que não vacinarem serão de 5 (cinco) Unidades Fiscais do Estado de São Paulo - UFESPs (R$ 74,40) e para os que deixarem de comunicar, 3 (três) UFESPs (R$ 44,64) por cabeça.

Assessoria de Imprensa da CDA – Tel.: 19 – 3241-4700 - Teresa Paranhos