Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
12/11/2008

Greening: CDA alerta os produtores sobre as inspeções.

12/11/2008 - A Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista alerta os responsáveis pelas propriedades citrícolas onde existem plantas hospedeiras da bactéria Candidatus Liberibacter e do vetor diaphorina citri, localizadas dentro da área delimitada com ocorrência da praga HLB-greening, para que façam as vistorias estabelecidas. O alerta tem por base a publicação da Instrução Normativa Federal n.º 53, de 16/10/08, que revogou a IN n.º 32, de 29/09/06 e prevê um combate mais efetivo e ágil do greening, doença que ataca os pomares de citros.

Segundo Vicente Paulo Martello, diretor do Centro de Defesa Sanitária Vegetal da CDA, “com a nova legislação o citricultor deve realizar, obrigatoriamente, 4 (quatro) vistorias trimestrais, sendo duas no primeiro semestre (entre janeiro e junho) e duas no segundo semestre (entre julho a dezembro), com o objetivo de identificar e eliminar todas as plantas com sintomas de HLB-greening”.

O citricultor deverá apresentar os dois relatórios comunicando os resultados das vistorias à unidade da Coordenadoria de Defesa Agropecuária do município onde está localizada a propriedade. “O primeiro relatório, referente às inspeções do primeiro semestre, deve ser apresentado até o dia 15 de julho e o segundo, referente às inspeções do segundo semestre, até 15 de janeiro”, explica Martello.

A CDA ira fiscalizar as propriedades produtoras com o objetivo de verificar se o produtor realmente está fazendo as inspeções e eliminando as plantas contaminadas.

Segundo Geysa Josefina Pala Ruiz, responsável pelo projeto Greening da CDA, "caso fique constatado que o produtor não está realizando as inspeções e eliminando as planta contaminadas, a nova legislação determina que a defesa agropecuária imediatamente efetue a autuação, que poderá acarretar em multas, e providencie a eliminação das plantas sintomáticas ou, dependendo do percentual encontrado, de todas as plantas do talhão”. O custo desta erradicação será repassado ao produtor.

O modelo do relatório a ser apresentado, assim como a legislação e demais informações estão disponíveis na página da CDA na internet, no endereço - www.cda.sp.gov.br - e nas unidades pertencentes à defesa agropecuária de cada município do estado de São Paulo.

Assessoria de Imprensa CDA - Tel.: 19 – 3241-4700 - Teresa Paranhos