Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
31/01/2008

Mapa reforça controle de pragas nos citros.

Brasília (31.1.2008) - O controle da Pinta Preta, fungo que ataca a laranja e compromete a exportação do produto, especialmente para União Européia, será tema de reuniões técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com representantes do setor produtivo de citros, a partir de fevereiro. Os critérios de controle da praga foram publicados na Instrução Normativa N.º 3, publicada no Diário Oficial da União, no dia 9 de janeiro.

Maior produtor mundial, com cerca de 1 milhão de hectares e 16 milhões de toneladas/ano de laranja, o Brasil fatura US$ 1,5 bilhão com a exportação da fruta e subprodutos (suco, ração, óleo, tintas e vernizes). A cadeia produtiva da laranja gera mais de 400 mil empregos, diretos e indiretos, no país. Segundo o diretor do Departamento de Sanidade Vegetal (DSV) do Mapa, José Geraldo Baldini, só as exportações de laranja in natura superam 26 milhões de dólares anuais e o Brasil se prepara para conquistar também o mercado asiático

Como a praga, também conhecida como Mancha Negra dos Citros, não ocorre na Europa, os países importadores da fruta exigem do Brasil um rigoroso controle da produção. Para Baldini, as reuniões, que devem começar pelo estado de São Paulo, contarão com a participação dos técnicos dos órgãos executivos de defesa sanitária vegetal, das secretarias estaduais de agricultura, de produtores de citros, empresários e exportadores de laranja

Baldini explica que o Mapa criou um sistema de manejo de risco para a Pinta Preta que inclui o cadastramento das propriedades e seu registro no ministério, o controle preventivo e curativo (aplicação de produtos na fruta), poda e outros manejos dos laranjais, além de inspeção federal nas casas de embalagens 30 dias antes da colheita das laranjas. Também nos pomares são coletadas amostras para a realização de testes laboratoriais de indução, capazes de provocar o aparecimento de sintomas da praga

Por último, uma inspeção, por amostragem, antes de embalar o produto destinado à exportação. Baldini diz que esses procedimentos foram discutidos e acordados com representantes da União Européia e devem abrir novos mercados para a laranja brasileira.

Segundo o diretor do DSV, esse conjunto de ações tem reduzido significativamente a rejeição de partidas de citros pela a União Européia. “As rejeições diminuíram de 63, em 2006, para apenas 7 no ano passado: o que comprova a necessidade da implementação da Instrução Normativa N.º 3, de 9 de janeiro/2008) para o efetivo controle da praga”, observa Baldini. (Cláudio Cunha)

Confira a íntegra da Instrução Normativa N.º 3 neste site

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa.