Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
07/06/2013

Nota Técnica: Equino da Cavalaria de São Paulo tem resultado negativo para Mormo.

07-06-2013 - A Coordenadoria de Defesa Agropecuária foi notificada oficialmente na tarde do dia 29 de maio, por laboratório credenciado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), do resultado positivo para a Fixação de Complemento (FC) para a doença mormo em um equino do Regimento de Polícia Montada “9 de julho” (Cavalaria), uma das mais tradicionais unidades da Polícia Militar do estado de São Paulo. No mesmo dia a Defesa Agropecuária interditou toda a movimentação dos equinos do Regimento.

Na manhã de 30 de maio, uma equipe de médicos veterinários do Grupo Especial de Atenção a Suspeita de Enfermidades Emergenciais (Gease), da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, órgão da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento de São Paulo procedeu a inoculação da maleína no animal suspeito. A maleína é o teste definitivo conclusivo para diagnóstico da doença mormo em acordo com a Instrução Normativa nº 14/2004 do Ministério. Os 267 animais alojados, incluindo o suspeito, foram submetidos a um minucioso exame clínico e nenhum sintoma compatível com a doença foi encontrado.

No último sábado (1° de junho), 48 horas após a inoculação da maleína, os médicos veterinários do Gease retornaram ao Regimento, acompanhados por médicos veterinários do Mapa, para a leitura da maleína que apresentou resultado definitivo negativo para mormo.

Segundo Agnaldo Rebello, diretor do Centro de Defesa Sanitária Animal, da Defesa Agropecuária, “a FC tem de 90 a 95 por cento de sensibilidade, por isso pode apresentar um falso positivo. A legislação preconiza que em todos os casos de FC positivo seja realizada a prova de maleína para que não sejam sacrificados animais com falso positivo”.

De acordo com Ricardo Lisak, capitão veterinário do Regimento, todos os 341 equinos da Cavalaria na capital e região metropolitana (Regimento, Academia do Barro Branco, Destacamento de Mauá e Destacamento de São Bernardo do Campo) foram submetidos ao teste de FC e nenhum outro animal apresentou resultado reagente positivo. Igual procedimento está sendo realizado pela Polícia Militar em todos os Destacamentos do Interior com a finalidade de garantir a sanidade do efetivo de trabalho equídeo da Cavalaria e da população, uma vez que esses animais têm atuação próxima ao público e o mormo ser considerado uma zoonose (que pode ser transmitida ao homem).

Com base nas comprovações, clínica e laboratorial, da não presença do mormo em animal do Regimento de Polícia Montada “9 de julho”, a Defesa Agropecuária encerrou o atendimento e revogou a interdição.

Campinas/SP, 07 de junho de 2013.