Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
11/06/2014

Influenza Aviária: medidas de prevenção para o estado de São Paulo.

A secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Mônika Bergamaschi, acompanhada pela equipe da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, representantes da Secretaria Estadual da Saúde e representantes do setor avícolas, apresentou na tarde de ontem (10/06) o Programa de Prevenção da Influenza Avícola.

Em decorrência do maior fluxo internacional de pessoas, por ocasião da Copa do Mundo, e da ocorrência de Influenza Aviária na América Latina (México – H7N3) e na Ásia (Japão, China e Coréia do Norte – H5N1; China – H7N9), foi criado um Grupo de Trabalho, composto por representantes dos diversos segmentos públicos e privados, com a finalidade de unir esforços e traçar estratégias para evitar os riscos de introdução e disseminação do agente no estado.

A estratégia do programa prevê ações como a intensificação da fiscalização de portos e aeroportos para evitar a introdução de materiais de risco em posse dos passageiros; a transmissão de informações aos viajantes sobre os riscos de difusão de doença para o plantel avícola e suas consequências; a intensificação das medidas de biosseguridade na avicultura industrial; a prevenção e vigilância nas criações informais; e o treinamento do Grupo Especial de Atenção à Suspeita de Enfermidades Emergenciais, o GEASE.

A Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo irá trabalhar com a distribuição de folderes para o criador informal e em pontos estratégicos com circulação de turistas, fixação de banners em parques com circulação de viajantes, utilização de cartazes em granjas comerciais com orientações sobre medidas de biosseguridade, além de fazer a identificação de pontos de risco, realizar reuniões com proprietários e criadores informais e uma vigilância ativa em todas as propriedades que apresentarem algum indício da doença.

A Influenza Aviária (IA), nome dado à doença causada por uma variedade do vírus influenza (H5N1), fica hospedada em aves, mas também pode infectar mamíferos. A doença atinge aves silvestres (principalmente as aquáticas) e domésticas. Geralmente é devastadora, provocando lesões sérias nos sistemas respiratório, digestivo, nervoso e reprodutivo.

A gripe aviária, como também é conhecida, representa hoje um dos maiores temores de uma pandemia devido ao seu alto índice de letalidade em seres humanos.

Apesar do risco de contaminação em turistas que já viajaram para países onde existe a doença ser muito pequeno, as pessoas que estiveram nessas regiões devem evitar as seguintes situações: entrar em contato com fazendas e mercado de aves vivas e assegurar que todo contato físico com frango cru e ovos deve ser feito com cuidados higiênicos.

Como o Brasil é hoje o principal exportador de carne de frango e São Paulo o principal produtor de ovos e aves de reprodução (de ata genética) do país, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Agricultura, criou o programa para reforçar as medidas de prevenção, já tomadas e recomendadas pela Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE) e pelo Ministério da Agricultura (Mapa).

As medidas de prevenção para a Influenza Avícola no estado de São Paulo estão disponíveis no site da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, no endereço http://www.defesaagropecuaria.sp.gov.br/influenza-aviaria/

Assessoria de Comunicação as Secretaria – 11 – 5067-0069

Assessoria de Imprensa| Defesa Agropecuária – 19 – 3045-3350 – Teresa Paranhos