Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
29/04/2015

Febre Aftosa: Dia 1º de maio inicia a vacinação de bovinos e bubalinos em São Paulo.

Nesta etapa devem ser vacinados 4,2 milhões de bovídeos com até 24 meses de idade.

O secretário de Agricultura e Abastecimento Arnaldo Jardim, ao lado do coordenador da Defesa Agropecuária, Heinz Otto Hellwig e autoridades convidadas, realizou a vacinação de uma bezerra contra a febre aftosa, como marco para o início da campanha de vacinação no estado de São Paulo. O ato simbólico foi realizado durante a Agrishow, realizada em Ribeirão Preto-SP até a próxima sexta-feira.

Arnaldo Jardim enfatizou a importância da imunização do rebanho, que deve ser realizada pelo criador de 1º a 31 de maio, vacinando bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade e destacou que São Paulo está atento à sanidade animal para que nenhuma doença comprometa os rebanhos paulista com reflexos negativos na renda do produtor e para os agronegócios.

São Paulo tem uma população de bovinos e bubalinos na faixa etária de até dois anos estimada em 4,2 milhões de cabeças. O rebanho total paulista é de 10,5 milhões de cabeças. São Paulo não registra focos da aftosa há 19 anos.

VACINAÇÃO

O criador deve observar alguns cuidados para garantir uma boa vacinação:

- adquirir vacina somente em estabelecimentos cadastrados pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária. A legislação proíbe a o uso de vacinas contra a febre aftosa adquiridas em etapas de vacinações anteriores.

- a vacina deve ser mantida entre 2 e 8 graus centígrados, tanto no transporte como no armazenamento. Para isso deve ser usada uma caixa de isopor, com no mínimo dois terços de seu volume em gelo. A vacina nunca deve ser congelada;

- escolher o horário mais fresco do dia para realizar a vacinação;

- vacinar de preferência no terço médio do pescoço (tábua do pescoço). Independente da idade, a dose é de 5 ml de vacina. A vacinação é obrigatória para todos os bovinos e bubalinos com até 24 meses.

- usar seringas e agulhas higienizadas - sem o uso de produtos químicos (nem álcool, nem cloro);

- substituir a agulha com frequência, para evitar infecções;

- manter os frascos da vacina resfriados durante a operação;

- classificar os animais por idade (era) e sexo, para evitar acidentes durante a vacinação;

- a vacinação deve ser realizada de 01 a 31 de maio de 2015. O criador tem até o dia 07 de junho para comunicar a vacinação ao órgão oficial de Defesa Agropecuária, ou através do sistema informatizado Gedave. É preciso ainda, declarar todos os animais de outras espécies existentes na propriedade, tais como: equídeos (equinos, asininos e muares), suideos (suínos, javalis e javaporco), ovinos, caprinos, aves (granjas de aves domésticas, criatórios de avestruzes).

A vacinação contra a febre aftosa é obrigatória. O criador que não vacinar ou não comunicar a vacinação à Defesa Agropecuária sofrerá as seguintes penalidades: 5 Ufesps, ou seja R$ 106,25 por cabeça por deixar de vacinar, e 3 Ufesps, ou seja R$ 63,75 por cabeça por deixar de comunicar a vacinação. O valor de cada Ufesp - Unidade Fiscal do Estado de São Paulo vale R$ 21,25.

CONTATO:

- Durante a Agrishow em Ribeirão Preto – 16 - 3911-8763.

Assessoria de Imprensa/Coordenadoria de Defesa Agropecuária - 19 - 3045-3350 – Teresa Paranhos