Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.





14/09/2006

Soja: Secretaria cria comissão especial para controle da ferrugem asiática.

Atualizado em 14/09/2006 às 00h00

A ferrugem asiática da soja tem atacado as lavouras de todo o país e provocado grandes perdas econômicas ao sojicultor. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo baixou resolução, criando uma comissão, composta de pesquisadores e técnicos do quadro, para estudos de viabilidade de implantação de práticas defensivas para o combate a ferrugem asiática de soja no estado. A comissão deverá estabelecer normas para o plantio e o controle da doença.

A ferrugem asiática da soja tem atacado as lavouras de todo o país e provocado grandes perdas econômicas ao sojicultor. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo baixou resolução, criando uma comissão, composta de pesquisadores e técnicos do quadro, para estudos de viabilidade de implantação de práticas defensivas para o combate a ferrugem asiática de soja no estado. A comissão deverá estabelecer normas para o plantio e o controle da doença.

A Comissão foi criada atendendo a solicitação das regiões produtoras do grão no Estado, são ofícios vindos da Câmara Municipal de Guaíra, no norte do Estado , representando os produtores e também de associações da região de Assis, outro pólo de produção do grão. Nas últimas safras, São Paulo tem sido vítima do avanço da ferrugem, seu aparecimento foi registrado inicialmente em dezembro de 2003 e janeiro de 2004, exatamente nestas áreas, nas safras seguintes se espalhou pelo Estado.

Em 2005, foram 817 mil hectares cultivados entre soja e soja safrinha, totalizando 217 milhões de sacas. As principais regiões são Assis com 169 mil hectares, Orlândia e Barretos com 115 mil e 95 mil hectares, respectivamente.

Segundo o presidente da Comissão, Cristiano Geller, o Estado deve adotar medidas similares para coibir a doença. Recente resolução do Mato Grosso, maior produtor do país, criou os chamados vazios sanitários, estabelecendo regiões e períodos de plantio, assim como a vigilância no uso dos defensivos e assistência técnica ao agricultor. “São Paulo deve adotar procedimentos adequados as nossas condições climáticas, de solo e de produção”, afirma Geller.

Em 2004, a Secretaria realizou uma série de seminários sobre manejo contra a ferrugem asiática da soja nas várias regiões produtoras, treinou técnicos e lançou um Boletim Técnico sobre a doença distribuído ao setor produtivo.

x

Governo do Estado de SP