Facebook Twitter Youtube Flickr
05/07/2019

Governo de São Paulo se reúne com mais sete Estados e o DF para discutir retirada da vacinação contra aftosa

O Governo do Estado de São Paulo recebeu na Secretaria de Agricultura e Abastecimento, representantes de oito governos estaduais para trocar experiências e traçar metas para a retirada da vacinação contra febre aftosa no Brasil. Os oito Estados mais o Distrito Federal compõem o Bloco IV e discutiram em sua 2ª Reunião ordinária meios de implementar as ações exigidas no cronograma, que prevê o fim da vacinação até 2023.

O encontro organizado pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da Pasta reuniu o bloco formado por São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Bahia, Sergipe, Tocantins, Minas Gerais, Distrito Federal e Espírito Santo para avaliar o desenvolvimento das ações previstas no Plano Estratégico de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa).

“Este é um momento importante para nós avaliarmos o que foi feito, onde conseguimos avançar no nosso Plano, fazer um diagnóstico do que produzimos até o momento e reavaliar como seguir nosso plano estratégico. A retirada da vacinação não é tão simples e fácil, ela pressupõe ações anteriores”, ressaltou Geraldo Marcos de Moraes, diretor do Departamento de Saúde Animal e Insumos Pecuários, da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O evento contou com apresentação padronizada de cada um dos representantes dos integrantes do Bloco IV que esclareceu quais são os principais entraves à retirada, além de servir como troca de experiências entre os Estados em busca de soluções para os desafios. “Essa reunião é um momento para reavaliar os compromissos assumidos e sabermos como estamos avançando em nosso projeto de retirar a vacinação”, reforçou Andrea Moura, superintendente Federal de Agricultura do Mapa no Estado.

No plano elaborado pelo Ministério, o País foi dividido em cinco blocos, para que seja feita a transição de área livre da aftosa com vacinação para sem vacinação. Integram o Bloco I: Acre e Rondônia; o Bloco II: Amazonas, Amapá, Pará e Roraima; o Bloco III: Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte; e o Bloco V: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

São Paulo está no Bloco IV, que tem entre os cinco a maior população humana (60% do total), 50% de suas propriedades com bovinos e reúne 40% do rebanho.

“Queria agradecer à equipe do Ministério e à nossa da CDA e dizer que esta reunião deu uma boa visão sobre a realidade, ressaltou os desafios e os compromissos todos que assumimos. Essas reuniões vão nos motivando a repensar sobre como fazer um trabalho melhor, mais seguro”, agradeceu Eduardo Camargo, titular da Coordenadoria de Defesa Agropecuária paulista.

Daqui pra frente

Após esse diagnóstico do andamento das ações em cada Estado e no Distrito Federal, os representantes firmaram objetivos importantes como reafirmar os compromissos com o Plano, em especial com a conclusão das ações nos prazos previstos pelas equipes gestoras estaduais; criar, em julho, a Comissão de Coordenação dos Estados do Bloco, com a participação da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), um representante do setor produtivo e um do serviço oficial de cada unidade da Federação.

Ficou definido ainda que, também no mês de julho, será realizada reunião para avaliação da execução do Plano Estratégico Pnefa 2017-2026; em outubro deste ano será feita outra reunião, desta vez para acompanhamento pela Comissão de Coordenação dos Estados para gestão regional do Plano. A previsão é que em dezembro sejam concluídos todos os encaminhamentos definidos na primeira reunião do Bloco.

A próxima Reunião Ordinária do Bloco IV deve ser realizada em abril de 2020.

Por: Hélio Filho