Facebook Twitter Youtube Flickr
30/07/2019

São Paulo mantem índices superiores a 90% de vacinação contra a brucelose

Nos últimos cinco anos o estado de São Paulo vem registrando índices superiores a 90% na vacinação contra a brucelose.

No primeiro semestre de 2019, 95,61% do total de 468.999 das fêmeas bovídeas (bovinas e bubalinas) com idade entre três e oito meses do rebanho paulista foi imunizado. O maior índice registrado até então (no primeiro semestre de 2018) foi de 94,90%. Os dados são do sistema Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo.

Com relação às propriedades, 91,70% das 50.572 com registro de fêmeas na faixa etária indicada informaram a vacinação.

“O criador tem-se mostrado consciente da importância de manter seus animais vacinados e, no caso da brucelose, é uma decisão fundamental para proteger as fêmeas bovídeas durante toda a vida evitando descarte de animal e prejuízo econômico”, disse o médico veterinário da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Klaus Saldanha Hellwig, que junto à Coordenadoria de Defesa Agropecuária responde pelo Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose (PECEBT).

A vacinação contra a brucelose é obrigatória desde 2002 no Estado de São Paulo e não tem data específica para ocorrer. É realizada uma única vez, quando as fêmeas estiverem com idade entre 3 e 8 meses. O criador deve seguir o calendário estabelecido no Estado, ou seja, fêmeas vacinadas entre dezembro e maio devem ser declaradas no sistema Gedave até 7 de junho, e as vacinadas entre os meses de junho e novembro devem ser informadas até 7 de dezembro.

Bovinos e Bubalinos

Do total de 468.999 fêmeas bovídeas, com idade entre 3 a 8 meses, registradas no sistema Gedave durante o primeiro semestre de 2019, 465.554 eram bovinas, com índice de vacinação de 95,63% e 3.445 eram bubalinas, com índice de 93,27% de vacinação.

Abaixo, o quantitativo de fêmeas bovinas e o índice de imunização em cada regional de Defesa Agropecuária.

EDA de Andradina - 20.390 - 99,75 %

EDA de Araçatuba - 13.962 - 99,94 %

EDA de Araraquara - 5.560 - 97,07 %

EDA de Assis - 10.456 - 97,66 %

EDA de Avaré - 11.385 - 96,94 %

EDA de Barretos - 5.079 - 87,18 %

EDA de Bauru - 16.459 - 94,50 %

EDA de Botucatu - 12.231 - 91,51 %

EDA de Bragança Paulista - 9.695 - 87,82 %

EDA de Campinas - 5.404 - 82,38 %

EDA de Catanduva - 3.621 - 96,69 %

EDA de Dracena - 16.563 - 99,37 %

EDA de Fernandópolis - 9.693 - 100,00 %

EDA de Franca - 8.179 - 82,52 %

EDA de General Salgado - 16.205 - 99,15 %

EDA de Guaratinguetá - 15.799 - 99,20 %

EDA de Itapetininga - 14.210 - 89,12 %

EDA de Itapeva - 10.884 - 87,75 %

EDA de Jaboticabal - 2.885 - 86,48 %

EDA de Jales - 16.430 - 99,84 %

EDA de Jaú - 5.286 - 98,98 %

EDA de Limeira - 6.272 - 96,81 %

EDA de Lins - 18.252 - 98,06 %

EDA de Marília - 19.479 - 99,76 %

EDA de Mogi das Cruzes - 1.210 - 64,55 %

EDA de Mogi-Mirim - 3.492 - 89,81 %

EDA de Orlândia - 2.839 - 92,96 %

EDA de Ourinhos - 13.141 - 99,91 %

EDA de Pindamonhangaba - 18.394 - 91,07 %

EDA de Piracicaba - 8.326 - 93,90 %

EDA de Presidente Prudente - 35.475 - 95,77 %

EDA de Presidente Venceslau - 34.580 - 97,92 %

EDA de Registro - 3.568 - 94,23 %

EDA de Ribeirão Preto - 5.126 - 81,68 %

EDA de São João da Boa Vista - 14.418 - 99,03 %

EDA de São José do Rio Preto - 16.331 - 91,28 %

EDA de São Paulo – 172 - 62,79 %

EDA de Sorocaba - 6.945 - 89,06 %

EDA de Tupã - 16.937 - 99,87 %

EDA de Votuporanga - 10.221 - 99,80 %

TOTAL DO ESTADO - 465.554 - 95,63 %

A doença

A brucelose é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Brucella. Nos bovinos pode causar aborto; nascimento de bezerros fracos; retenção de placenta; repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, além de inflamação nos testículos, causando prejuízos econômicos aos criadores.

Por Teresa Paranhos