Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
04/02/2021

Desarticulado estabelecimento clandestino em Campinas

Uma tonelada de produtos salgados em fase de processamento foi apreendida em um estabelecimento clandestino no bairro Jardim Novo Campos Elíseos, na cidade de Campinas. A ação foi realizada na quarta-feira, 04 de fevereiro, pela equipe da Coordenadoria de Defesa Agropecuária em conjunto com a Polícia Civil do Estado de São Paulo.

A equipe chegou até o local para verificação através de uma denúncia foi recebida pelos canais da Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo. No local, que não possuía registro em nenhum órgão fiscalizador, seja ele federal, estadual ou municipal conforme rege a legislação foi encontrada uma produção clandestina de carnes.

“Foram encontrados aproximadamente mil quilos de carnes salgadas (produto acabado e embalado) e carnes em processo de fabricação. Também não havia comprovação da origem da matéria-prima. O local não possuía adequadas condições estruturais e de higiene, colocando em risco a saúde do consumidor de tais produtos,” disse o médico veterinário Bruno Bergamo Ruffolo, diretor do Centro de Inspeção de Produtos de Origem Animal, da Coordenadoria.

O responsável pelo estabelecimento foi autuado por agentes da Coordenadoria de Defesa Agropecuária por fabricar produtos de origem animal em desacordo com os padrões fixados na legislação estadual. Os produtos foram apreendidos e destinados à fabricação de produtos não comestíveis.

É essencial que todo produto de origem animal seja fabricado em indústrias devidamente registradas nos órgãos competentes para que desta forma seja garantida a qualidade do produto final e a saúde do consumidor. “Um alimento produzido sob precárias condições higiênicas pode acarretar na transmissão de inúmeras doenças comprometendo a saúde do consumidor”, disse Ruffolo.

Participaram da ação os médicos veterinários Priscylla Sayuri Miya, Thiago Braga Izidoro, Yeda Salate Gasparoto Okada e Ana Cristina Soares de Freitas.

Por Teresa Paranhos