Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
30/10/2013

Brucelose: fêmeas bovídeas com 3 a 8 meses devem ser vacinadas até 30/11.

30-10-2013 - O criador paulista, que tem fêmeas bovinas e bubalinas com idade entre três a oito meses, tem até o dia 30 de novembro para vaciná-las contra a brucelose e até o dia 07 de dezembro para comprovar a vacinação.

A partir deste ano, o prazo final para declarar a vacinação ao órgão oficial de defesa agropecuária passou a ser o mesmo estabelecido para a declaração da vacinação contra a febre aftosa, ou seja, o criador deve declarar a vacinação contra a brucelose e contra a febre aftosa até o dia 7 de dezembro. Este calendário foi estabelecido pela Portaria nº 7, publicada pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária, em fevereiro deste ano.

A Portaria estabelece também que a entrega de leite “in natura” e a emissão da guia de trânsito animal (GTA) para bovinos e bubalinos de qualquer idade, ficam condicionadas à apresentação, pelo criador, do certificado, emitido pelo serviço oficial de defesa, que todas as fêmeas bovinas ou bubalinas do rebanho foram vacinadas contra a brucelose entre três e oito meses de idade.

Para que as fêmeas fiquem protegidas, a vacinação contra a brucelose é realizada uma única vez. A vacinação deve ser feita por médicos veterinários cadastrados na Defesa Agropecuária. “A razão para este cuidado é pelo fato de ser uma vacina viva e poder infectar o manipulador. Cabe a esse profissional garantir a correta administração em animais nesta faixa etária e os cuidados na manipulação da vacina, além de fornecer o atestado de vacinação ao criador”, informa Klaus Saldanha Hellwig, médico veterinário responsável pelo Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose animal.

O criador que deixar de vacinar ou deixar comunicar a vacinação até a data estabelecida pela legislação fica passível de sofrer penalidades - 5 Ufesps (R$ 96,85) por cabeça, por deixar de vacinar e 3 Ufesps (R$ 58,11) por cabeça, por deixar de comunicar a vacinação. O valor de cada Ufesp - Unidade Fiscal do Estado de São Paulo vale R$ 19,37.

CALENDÁRIO - O estado de São Paulo tem o seguinte calendário de vacinação contra brucelose: para as fêmeas vacinadas de dezembro a maio, a comprovação deve ser feita até sete de junho (07/06); e para as fêmeas vacinadas de junho a novembro, a comprovação deve ser feita até sete de dezembro (07/12).

ÍNDICES DE VACINAÇÃO - No histórico das vacinações, os dados mostram que o criador está consciente da importância de vacinar contra a brucelose. Em 2012 os índices foram 81,75% no primeiro semestre e 81,98% segundo semestre. No primeiro semestre de 2013, do total de 523.813 cabeças de fêmeas bovinas e bubalinas, com idade entre três e oito meses, 84,66% foram imunizadas.

A relação com os nomes dos médicos veterinários cadastrados na Defesa Agropecuária que realizam a vacinação contra a brucelose no estado de São Paulo pode ser acessada no endereço: http://www.defesaagropecuaria.sp.gov.br/www/credenciados/index.php?action=pncebt

BRUCELOSE - É uma zoonose (doença que acomete os animais e o homem) infecto-contagiosa causada pela bactéria Brucella abortus. Nos bovinos pode causar abortamento; nascimento de bezerros fracos; retenção de placenta; repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, além de inflamação nos testículos.

Em São Paulo a vacinação é obrigatória desde 2002 quando foi instituído pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, o Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose animal. Acesso à Portaria CDA – 7, de 20/02/2013: http://www.defesaagropecuaria.sp.gov.br/www/legislacoes/popup.php?action=view&idleg=957

CONTATO:

Assessoria de Imprensa/Defesa Agropecuária – 19 – 3045-3350 – Teresa Paranhos