Facebook Twitter Youtube Flickr
19/11/2019

Secretaria promove Workshop sobre doença das abelhas, a “Cria Pútrida Europeia”

São Paulo registra a primeira ocorrência de Melissococcus plutonius em colônia de abelhas melíponas

Com o objetivo de informar, esclarecer e orientar os apicultores sobre a primeira ocorrência da Cria Pútrida Europeia (CPE), doença causada pela bactéria Melissococcus plutonius, em colônia de abelhas melíponas no estado de São Paulo, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento promove o Workshop “Saúde das Abelhas - Cria Pútrida Europeia”, no dia 25 de novembro, das 14 às 17 horas, em sua sede na Praça Ramos de Azevedo, 254, 4º andar, São Paulo, Capital.

O evento é gratuito e direcionado a meliponicultores, apicultores, comerciante de produtos das abelhas, representantes de associação de criadores de abelhas, pesquisadores, profissionais ligados à sanidade animal e demais interessados. A inscrição deve ser feita pela Internet, acessando https://forms.gle/4q4pNGksTqxgp8yG9

A Doença

Também conhecida como loque europeia é uma doença de notificação obrigatória, sendo mais identificada no Brasil em abelhas do gênero Apis (abelha com ferrão). A primeira ocorrência da doença em seis espécies diferentes de meliponíneos (abelha sem ferrão) foi registrada no estado do Espírito Santo, em comunicado feito pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (IDAF), no dia 17 de outubro.

No estado de São Paulo, a médica veterinária da Secretaria Maria Carolina Guido, responsável junto à Defesa Agropecuária pelo Programa Estadual de Sanidade das Abelhas recebeu no mês de setembro, notificação de suspeita de ocorrência de doença em colônia de abelhas da espécie Melipona mondori, no município de São Paulo. “O proprietário relatou ter observado eliminação de crias em estágio de pupas (cerca de 70% das crias da colmeia) devido a comportamento higiênico da colônia, as pupas eliminadas tinham coloração amarronzada e algumas com deformidades”, disse.

A primeira ocorrência de Melissococcus plutonius em colônia de abelhas melíponas no estado de São Paulo foi notificada oficialmente ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no dia 24 de setembro.

Sinais e Sintomas

Em Apis (abelha com ferrão), a morte ocorre geralmente na fase de larva, antes que os alvéolos sejam operculados. As larvas doentes ficam em posições anormais, podendo ficar contorcidas, nas paredes dos alvéolos. Pode ocorrer mudança de cor das larvas, que passam de branco pérola para amarelo até marrom. Pode apresentar cheiro pútrido ou não. Quando as larvas morrem depois da operculação, aparecem opérculos escurecidos, afundados e perfurados.

Em meliponíneos (abelha sem ferrão), a larva morre no interior da célula/alvéolo, logo após seu nascimento (larva jovem), podendo ainda morrer na fase intermediária ou larva adulta, assim como na fase final (pré-pupa e pupa), pois a célula/alvéolo de cria é fechada logo após a postura da rainha.

Programa Estadual de Sanidade das Abelhas (PESAb)

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, é responsável pela sanidade animal e vegetal no Estado de São Paulo e instituiu no dia 03 de outubro o Programa Estadual de Sanidade das Abelhas (PESAb), que visa garantir o cumprimento da legislação federal de prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas das abelhas do gênero Apis e abelhas nativas do Brasil.

Por Teresa Paranhos