Facebook Twitter Youtube Flickr
16/06/2020

Secretaria ajuda a normatizar o transporte de carga viva no Estado

O transporte de carga viva deve seguir padrões que garantam a saúde e bem-estar dos animais. Para assegurar essa prerrogativa, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, através da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, responsável pela fiscalização sanitária do trânsito de animais em âmbito estadual, assinou um convênio com a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP, a Policia Militar Rodoviária paulista, a Concessionária Intervias e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que resultou na criação da “Plataforma Unificada para Responder aos Acidentes de Trânsito Envolvendo Animais em Rodovias” (PURAA). A iniciativa visa diminuir o número de ocorrências e evitar danos ao patrimônio e à saúde publica, uma vez que, nas estradas paulistas, a média de acidentes envolvendo animais supera 2.570 episódios por ano.

A Secretaria participou da construção do projeto e da elaboração de Procedimentos Operacionais Padrão (POP) para auxiliar a Polícia Militar Rodoviária nos casos de acidentes com animais e na fiscalização de transporte de animais. Os POPs de atendimento de acidentes de trânsito envolvendo animais, bem como os de fiscalização de transporte de animais nas rodovias, foram elaborados seguindo as normas e regramentos nacionais e internacionais para o transporte de animais, sendo que o principal objetivo é evitar a disseminação de doenças animais e a rastreabilidade de origem dos produtos finais.

De janeiro a abril de 2020, foram transportados mais de 553,4 milhões de animais pelas estradas paulistas, com a realização de aproximadamente 15 mil viagens por mês. De acordo com a Defesa Agropecuária, esses transportes devem seguir padrões para garantir a sanidade dos animais, a fim de qualificar e perpetuar a comercialização de animais e produtos saudáveis.

Além da colaboração com as instituições parceiras, a Defesa desenvolve atividades que visam, através do serviço veterinário oficial, formar uma barreira, unindo esforços com os proprietários, para barrar a evolução de uma doença, identificando sua origem e adotando medidas rápidas de contenção. Outra preocupação é com os acidentes que podem acontecer com esses veículos nas rodovias e os problemas que poderão ser ocasionados, sendo o principal deles o sofrimento dos animais envolvidos.

“A fiscalização de transporte e acidentes com animais tem foco no bem-estar único, um conceito que engloba o bem-estar de humanos, animais e o meio ambiente”, afirmam Luiz Henrique Barrochelo, Erika Ramos Mello e Rosa Maria Ferreira Noguerol Odorizzi, médicos veterinários da Defesa Agropecuária que atuaram na criação dessa normativa.

Por Teresa Paranhos/Paloma Minke