Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Coordenadoria de Defesa Agropecuária
Facebook Twitter Youtube Flickr
24/06/2021

Benefícios e segurança do mel como alimento são temas de live realizada pela CDRS/CATI

Evento integra ações da Campanha Mel Seguro: Diga Não ao Produto Falsificado, elaborada pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento e pelo setor produtivo, representado na Câmara Setorial de Produtos Apícolas.

“Considerado um alimento completo, o mel possui alto valor nutricional, como alimento produzido pelas abelhas a partir do néctar das flores ou das secreções procedentes de partes vivas das plantas ou de excreções de insetos sugadores de plantas. Mas, para garantir segurança alimentar a quem consome e confiabilidade de quem comercializa, é preciso que o mel tenha qualidade e garantia de procedência”. Com esse mote, a Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS)/CATI, órgão responsável pela extensão rural no âmbito da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, realizou, no dia 17 de junho, o ciclo de palestras O Mel e sua importância como alimento seguro.

Transmitido pelo canal da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (youtube.com/agriculturasp), o evento teve um alcance que ultrapassou as fronteiras do Estado de São Paulo, com um público de mais de 200 inscritos, de 18 estados brasileiros, como Amazonas, Pará, Rondônia, Bahia, Sergipe e Rio Grande do Sul, e até de outros países, como Equador e Alemanha. “Ter um público heterogêneo formado por produtores, apicultores, comerciantes, estudantes, pesquisadores e interessados de forma geral, de lugares tão distantes, foi uma grata surpresa, que demonstrou a importância do tema e a das ferramentas virtuais, para difundir o conhecimento, principalmente neste momento de pandemia e necessidade de distanciamento social”, explica a organizadora da live, Carolina Matos, ecóloga e diretora do Centro de Desenvolvimento Tecnológico do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da CDRS/CATI, comemorando que, 24 horas após o encerramento, a live já conta com quase 900 visualizações.

Ao longo da programação, o tema central foi abordado em três palestras. Médico, professor da Pós-Graduação de Fitoterapia e Plantas Medicinais da Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e dirigente do Instituto Olíbano de Minas Gerais, Mikhael Marques falou sobre O mel como alimento e seus benefícios para a saúde, enaltecendo seu papel nutritivo, antioxidante e até mesmo antimicrobiano, citando publicações científicas que demonstraram inclusive o propriedades de méis de abelhas nativas, como a Borá (Tetragona clavipes) e a Canudo (Scaptotrigona depilis), que possuem características antimicóticas superiores ao famoso mel Manuka. Reforçou a importância do consumo diário do mel como alimento, esclarecendo que ele tem um papel auxiliar no fortalecimento do organismo e que o tratamento de doenças deve sempre ser acompanhado por um médico especialista.

Floradas e características microscópicas do mel foi o tema da palestra da pesquisadora Cyntia Luz, do Instituto de Botânica/Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (Sima) de São Paulo. Por meio de imagens de microscopia, levou o público ao fascinante universo dos grãos de pólen e explicou como sua presença no mel conta a história da origem botânica do alimento. A pesquisadora mostrou como as diversas fontes florais conferem características específicas ao mel, como aroma, coloração e tendência à cristalização. Ressaltou, ainda, a importância das Boas Práticas produtivas e de beneficiamento do mel, para garantir que suas características originais sejam preservadas e não haja contaminação com micro-organismos patogênicos.

Já Cristiane Bonaldi Cano, pesquisadora do Instituto Adolfo Lutz de São Paulo, abordou o tema Caracterização, falsificação e adulteração de mel e seus riscos. Sua palestra trouxe informações importantes sobre o perfil nutricional do mel, sua composição em termos de carboidratos, vitaminas, minerais e compostos antioxidantes, explicando como as análises laboratoriais permitem que ele seja caracterizado dentro dos parâmetros internacionais, para que possa ser comercializado e consumido com segurança. Alertou para os riscos das fraudes alimentares no mel, como a venda de xaropes de açúcar ou de milho com aromas artificiais, que ocorre em feiras, estabelecimentos comerciais e até mesmo nas ruas, ato que, além de infringir a legislação alimentar, leva os consumidores ao engano, podendo colocar sua saúde em risco. Ressaltou, ainda, que não existem métodos caseiros eficazes para garantir a identificação de fraudes e que casos suspeitos devem ser denunciados aos órgãos oficiais, como a Vigilância Sanitária municipal, para que sejam devidamente analisados por laboratórios como os do Instituto Adolfo Lutz.

Fazendo um balanço positivo do evento, Carolina Matos anuncia que outra live já está sendo preparada. “Estamos obtendo um retorno muito positivo dos consumidores e produtores de mel com a Campanha. De fato, as fraudes no mel prejudicam não só os consumidores, mas toda a cadeia produtiva apícola. Os consumidores estão ficando atentos e exigentes, assim como os comerciantes. O mel brasileiro possui alta qualidade e a população precisa conhecer seus benefícios. A próxima live trará informações sobre a importância dos selos dos Serviços de Inspeção Municipal, Estadual e Federal (SIM, SISP e SIF); a legislação relacionada à fraude alimentar e as penalidades para quem produz e comercializa produtos adulterados; além de dicas para os lojistas adquirirem produtos confiáveis para comercialização e evitarem produtos falsificados”.

Participantes aprovam tema e formato do evento

Após a apresentação das palestras, a interação do público e os especialistas, via chat, mostrou o interesse e a importância do debate levantado. Questões como formulação do rótulo, responsabilidades de produtores e comerciantes, o mel como alimento e suas propriedades medicinais, como garantir a qualidade na extração, beneficiamento e comercialização, entre outras, refletem a preocupação do segmento em ofertar um alimento seguro para o consumo da população.

“Eventos como este, com profissionais e especialistas das áreas de saúde, pesquisa e extensão rural, são de extrema importância para informar e conscientizar sobre o consumo de mel e seus benefícios. Além disso, são essenciais para mostrar que as abelhas são essenciais para a humanidade, realizando a polinização das plantas e contribuindo para a produção de alimentos, haja vista que cerca de 70% das espécies vegetais dos cultivos comerciais necessitam de polinização para o seu desenvolvimento, qualidade e produtividade”, avalia Júlio Simões, médico veterinário da CDRS/CATI Regional Jaú e integrante do Grupo Técnico de Apicultura e Meliponicultura (GTAM) da instituição e também do Grupo Gestor Estadual, acrescentando que os apicultores desempenham um papel fundamental nos cuidados e na conservação das abelhas na natureza. “Sendo assim, ações como esta campanha são importantes para a conscientização sobre a relevância da venda e do consumo de produtos inspecionados, certificados e seguros, bem como para a valorização desses produtores rurais, que desempenham suas atividades com profissionalismo, colocando à disposição no mercado mel de qualidade”.

Para Luis Fernando de Aguiar, engenheiro agrônomo, responsável pela Casa da Agricultura de Monte Alegre do Sul, membro do GTAM e apicultor, avaliou positivamente o evento. “A organização está de parabéns! Os palestrantes têm um alto nível de conhecimento e souberam transmiti-lo de forma clara, simples e objetiva, alcançando o público, que era bem heterogêneo, o que pôde ser comprovado pelo envolvimento dos participantes via chat. Como extensionista rural, sei da importância das ações presenciais, mas exalto o evento, pois, mesmo em um ambiente virtual, despertou grande interesse. Isso demonstra que a Secretaria de Agricultura e Abastecimento acertou com a diretriz dessa campanha de incentivo ao mel seguro, com procedência, inspeção, análises, qualidade, origem geográfica etc. Como apicultor, posso dizer da seriedade com que realizamos o nosso trabalho-missão, mas sei que existem fraudes em produtos comercializados, o deve ser combatido com difusão de conhecimento para toda a cadeia produtiva, bem como para comerciantes e consumidores”.

Denise Baldan, nutricionista da CDRS/CATI, que integra a equipe do Centro de Treinamento da instituição, destaca a relevância do tema. “O evento foi sensacional, com palestras que trouxeram muitos ensinamentos e atualidades de pesquisa na área. Eu vejo o mel como um alimento divino, quando pensamos no trabalho das abelhas, como ele é produzido e os benefícios que traz. Além disso, é um “super combustível”, que produz energia para o corpo. Algumas pessoas o veem como um adoçante e o comparam ao açúcar refinado, mas ele é um alimento riquíssimo, como foi muito bem apresentado pelos palestrantes. Além de ser rico em carboidratos, possui vitaminas e minerais importantes para a longevidade; também é considerado um probiótico, pois possui quatro espécies de bifidubactérias. Atualmente, os estudos vêm mostrando que a sua combinação de frutose e glicose tem ajudado a manter os níveis de açúcar no sangue, pois alguns méis têm índice glicêmico baixo. Sendo assim, é preciso divulgar cada vez mais suas propriedades e seus benefícios, bem como a importância de se consumir um produto de qualidade garantida”.

Para acessar o evento completo, acesse: www.youtube.com/agriculturasp

Campanha Mel Seguro

Apesar de ser o 9.º maior produtor de mel do mundo, o consumo per capita do produto pelos brasileiros ainda é muito baixo: cerca de 60g por ano, contra 960g por ano, quantidade consumida por habitante na Alemanha. Para incentivar o consumo do mel de qualidade e esclarecer dúvidas de consumidores e comerciantes, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento e a Câmara Setorial de Produtos Apícolas idealizaram a campanha com ações nas redes sociais, podcasts e a realização de ciclos de palestras on-line.

“A partir da divulgação de informações consistentes no decorrer da campanha, espera-se ampliar a conscientização, a disponibilização e o consumo do mel com garantia de qualidade e, com isso, fortalecer a cadeia produtiva, com a geração de empregos e renda”, enfatiza Carolina Matos, ressaltando que o objetivo também é divulgar os canais para a denúncia de produtos falsificados e/ou adulterados; e, ao mesmo tempo, aumentar o número de cadastros de apicultores no Sistema Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave) - https://gedave.defesaagropecuaria.sp.gov.br/ -, da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA)/Secretaria de Agricultura e Abastecimento, e de apiários regularizados”.

Dados da Secretaria de Agricultura demonstram que no Estado de São Paulo existem mais de 1.600 apicultores, operando mais de 72 mil colmeias. Em 2020, a produção paulista foi de 4.527 toneladas, o que representa 9,8% da produção nacional.

Podcasts Campanha Mel Seguro

Os audioboletins com os temas Mel - o doce ouro líquido que vem da natureza; Como identificar um mel de qualidade?; e Mel - A importância dos selos de inspeção estão disponíveis nas plataformas:

Spotify: https://open.spotify.com/show/5FeN55dxNSN6Rg36l0P6tY

SoundCloud: https://soundcloud.com/user-326872100-410422792

Google Podcasts: https://podcasts.google.com/feed/aHR0cHM6Ly9hbmNob3IuZm0vcy8xMmE0MmY0Yy9wb2RjYXN0L3Jzcw

Deezer: https://deezer.page.link/6cVtCFyvqrv3RCqh6

Anchor: https://anchor.fm/saa-sp

https://podcasts.apple.com/us/podcast/secretaria-agricultura-e-abastecimento-o-estado-s%C3%A3o/id1495077963?uo=4